15/08/2014 

Socorro - O Mercado Sumiu

Edição 78

De 2004 para cá, a melhora dos fundamentos da economia brasileira, promoveu uma maciça entrada de dólares de investidores estrangeiros em busca das oportunidades na Bolsa de Valores.

O enorme aporte de capital ao mercado brasileiro, promoveram a valorização do real e, até o final de 2007, tornaram nossas exportações menos competitivas sem, contudo, ampliar as importações a ponto de equilibrar a cotação do dólar.

Em 2008, o derretimento do dólar no exterior em virtude da crise do setor imobiliário norte-americano e a classificação de grau de investimento, promovendo ainda mais a entrada de investimentos, mantiveram a tendência de queda das cotações do dólar.

No entanto, o crescimento econômico acelerado nos últimos meses, turbinado pela oferta de crédito ao consumidor, incrementou a inflação. Colocamos no limite a nossa capacidade produtiva comprometendo ainda mais as exportações que já andavam ruins por causa da valorização do real perante o dólar.

A piora dos índices de inflação tornou o investidor estrangeiro um pouco arisco fazendo com que realizasse seus lucros e saísse do mercado de capitais, derrubando sistematicamente o índice da Bovespa nos últimos dias.

Mas o Banco Central veio em socorro dos investidores externos. Ao aumentar os juros o país voltou a ser atraente para a entrada dos investidores externos mas agora não pela Bovespa mas pelo lado do mercado de juros. Os ganhos saíram de um bolso e foram para o outro, reforçando ainda mais a oferta de dólares e,consequentemente, sua queda frente ao real.

Se levarmos em consideração que o COPOM continuará a aumentar os juros enquanto não estiver completamente seguro de que a inflação está convergindo para meta; que estamos em ano eleitoral municipal que é preparatório para as alianças de 2010 e inflação em alta é ruim para o governo; e que a economia americana não deve reagir tão rapidamente então está dado o cenário – o dólar deve continuar enfraquecendo.

 

Mas o maior problema é outro. Até agora o real valorizado enfraqueceu as exportações mas, como a economia interna estava aquecida, as empresas desviaram a sua produção e continuaram crescendo.

Com inflação e juros altos,a economia doméstica deve crescer menos ou pode até estagnar. Com o dólar em baixa, as exportações também não são uma saída satisfatória. Socorro - o mercado sumiu.

 

Claudio César Soares, Coordenador do curso Global Trader.
cursos@exportmanager.com.br

 

Acompanhe nossas redes sociais

     

Gostou desse conteúdo? Compartilhe com seus amigos.

Fonte: Export Manager