15/08/2014 

Urgente!

Edição 107

 

Vem escrito da forma do título no assunto do email, regra geral em vermelho e com no mínimo três pontos de exclamação. O “URGENTE!!!! é uma praga do comércio exterior, em que a ansiedade parecem tomar conta de todos que tem carga sob controle aduaneiro. E também daqueles que terão carga sob controle aduaneiro ou administrativo.


É um vício e uma prática que esconde, contudo, uma triste realidade brasileira – a ausência de gestão aduaneira.


Urgência é algo que acontece  quando algo importante deixou de ser feito no momento certo. Ao administrar, as urgências devem ser exceção, não a regra. Se a urgência torna-se regra, então estamos deixando de administrar porque tudo o que era importante não foi feito quando deveria ter sido feito.
No caso da gestão aduaneira tem-se a visão de que é impossível administrar quando as decisões estão nas mãos da autoridade aduaneira. Mas é o contrário.


Exatamente porque as decisões dependem do Estado é que os processos aduaneiros necessitam de planejamento. Nós brasileiros não somos como os japoneses que demoram anos planejando e são rápidos na execução. Na nossa cultura planejar é perda de tempo, bom mesmo é executar. Resultado: ações sem planejamento resultam num festival de tentativas e erros. Não raro chegamos à conclusão que era impossível, no meio do caminho.


É curioso observar que muitos profissionais do comércio exterior parecem viver num estado de sedação da urgência com celulares, rádios, emails e as comunidades sociais parecendo demonstrar (ou querendo) dinamismo quando estão demonstrando apenas falta de gestão dos seus processos e negócios.


Observe como no comércio exterior esta é a realidade. Empresas protocolam o processo de radar com mercadoria já embarcada e, não raro, com a documentação sem conformidade resultando, em muitos casos, em inaptidão do CNPJ. Em vez de se internacionalizar, fecha.


Multas aos milhões por classificações fiscais incorretas e descrições de mercadorias inexatas, tudo  por falta de planejamento e urgência na execução. Sem contar nos inúmeros casos de perdimento e posterior destinação a leilão por conta do importador ter descoberto, na chegada da mercadoria ao país, que os preços mínimos da China se transformam em altíssimos depois das despesas de terminal e tributárias.


A ausência de gestão aduaneira é tão arraigada que a maioria das empresas prestadoras de serviços do comércio exterior  fundam sua estratégia de marketing na “agilidade e rapidez” e não no planejamento prévio das operações o que garantiria, isso sim, agilidade, porque uma operação bem planejada torna a execução sem necessidade de urgências porque tecnicamente precisa e, portanto, bem administrada. Copiou?


Claudio César Soares, 49, é Gerente de Contas da Export Manager Trading School.

 

 


O Plenário aprovou simbolicamente, no último dia 19, a Medida Provisória 541/11, que cria o Fundo de Financiamento à Exportação (FFEX) para atender especificamente às micro, pequenas e médias empresas exportadoras e reformula as atribuições do Inmetro. A matéria, aprovada na forma de um projeto de lei de conversão, será enviada para análise do Senado.


Cinquenta por cento dos recursos do novo fundo para as  micro e pequenas empresas exportadoras. Caso não haja procura para esses recursos ou as empresas sejam inabilitadas, eles poderão ser direcionados às empresas de maior porte.


Fonte: ACE Institucional

 

 


Tenho habilitação no radar na modalidade simplificada pequena monta e meu limite está estourado. Preciso importar uma máquina urgente no valor de USD 500 000,00. Como proceder.


Basta alterar a modalidade simplificada de pequena monta, que possui limite de USD 150 000,00 por semestre, para simplificada para incorporação no ativo imobilizado, que não tem limite.


Depois, para voltar a comercializar bens importados, é possível reverter a modalidade para pequena monta ou, ainda, alterá-la para a modalidade ordinária.


(Fundamentação Legal: IN SRF 650/06 e ADE Coana 03/06)

 

Mercado Futuro de Câmbio
Dólar – sem viés. Andando de lado em torno de 1,780.
Euro –  sem viés. Andando de lado em torno de 2,450.

Fonte: Export Manager